Selic em 2%: por onde fugir da poupança?

O Comitê de Política Monetária (Copom) definiu nesta quarta-feira (5) um novo corte de 0,25 ponto percentual para a taxa básica de juros. Com isso, a Selic passou de 2,25% para 2% ao ano. Foi o nono corte seguido, levando a taxa ao seu menor patamar histórico dos juros brasileiros desde 1999, quando o governo estabeleceu metas para a inflação. Como isso afeta a rentabilidade dos seus investimentos? E agora, onde colocar o seu dinheiro para ele continuar rendendo?


Enquanto a taxa de juros nominal ao ano é de2%, a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) projetada pelo último boletim Focus do Banco Central para 2020 é de 1,63%. Pode-se dizer que a taxa de juros real continua positiva neste momento.


A Selic em 2% tem dois efeitos: o primeiro é econômico. Para viabilizar uma transformação real na ponta do crédito, a Selic deveria ser negativa. Isso também atrairia grandes investidores e auxiliaria na retomada econômica.


O segundo efeito é na rentabilidade do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que com a taxa Selic em 2% agora passa a ser de 1,94%. Para especialistas, o CDI passa a servir como referência apenas para pequenos poupadores. Já os grandes investidores com uma taxa de juros tão baixa podem se ver obrigados a buscar novas alternativas na renda variável, para viabilizar um retorno maior dos seus investimentos.


Com os juros nesse novo patamar, uma aplicação que descansa em paz é a poupança. Com cada novo corte na Selic, a caderneta traz um desempenho negativo para as reservas do investidor.

A poupança tem rendimento de 70% da Selic mais a taxa referencial (TR). Fazendo um cálculo, o rendimento para 12 meses da caderneta agora é de 1,40%. Considerando que a inflação projetada pelo último boletim Focus para o final deste ano é de 1,63%, o rendimento real da poupança fica abaixo da inflação, com juros negativos. A caderneta passa a ter uma perda real de 0,23% (inflação – poupança) ao ano.


Além do Imposto de Renda e o prazo de aplicação, é interessante ficar de olho nas taxas de administração ou de custódia que alguns investimentos possuem.

Calculamos a rentabilidade líquida dos investimentos considerando o Imposto de Renda. Confira a simulação para o papel que rende 100% do CDI (1,94%); um CDB com 110% do CDI (2,13%) e um CDB com 90% do CDI (1,75%).




Como a taxa Selic já está em um nível muito baixo, é possível que ela retome a alta aos poucos. Por isso, é aconselhável reduzir um pouco as aplicações prefixadas e aumentar os investimentos pós-fixados e atrelados à inflação.


Antes de começar a investir é importante ter uma reserva de emergência, (investimento equivalente de 3 a 6 meses do gasto mensal do investidor). O dinheiro deste recurso se diferencia de outros tipos de investimento pelo seu baixo retorno e também pela sua liquidez (facilidade em resgatar o dinheiro) que é diária. Entre as alternativas para criar uma reserva de emergência Ghellardi destaca o Tesouro Selic, Fundo DI simples e CDB de grande banco (rende 100% do CDI e tem liquidez diária).

Recentemente, o Tesouro Selic se tornou uma alternativa muito atrativa para os investidores que desejam aplicar menos de R$ 10 mil, por ter zerado suas taxas de custódia.


Com a reserva de emergência montada, agora é a vez de escolher alguns ativos na renda fixa que possam oferecer uma rentabilidade melhor que a Selic para o nosso dinheiro. Para isso Ghellardi recomenda:

  • Prefixados na renda fixa: Tesouro Prefixado e CDB de banco médio

  • Indexados a inflação: Tesouro IPCA+; CRI e CRA; debêntures.

  • Pós-fixados na renda fixa: CDBs com rendimento de 120% do CDI, LCI, LCA

Ele reforça que apesar da Selic em 2%, as debêntures ainda são a chance do momento. Com os juros baixos e as empresas precisando de dinheiro para produzir e expandir seus negócios, emitir títulos de dívida se tornou uma tendência no mercado. Com isso, o investidor ganha boas oportunidades para aplicar seu dinheiro. Mas para não ter muito risco de calote, Ghellardi aconselha sempre ficar de olho no rating da companhia, optando pela nota AA para cima.


https://investnews.com.br/financas/selic-em-2-onde-investir-agora-e-quanto-rendem-as-aplicacoes/

4 visualizações